Prometeu

In stock
SKU
9789897620010
$10.54
Livro Brochado
Nos finais da década de 80, António Jacinto arrumava os seus papéis, “salvos dos naufrágios em que and[ou]”, como revela em entrevista (JACINTO, António (1987), Prometeu, Luanda, UEA). Desse trabalho surgiram publicações como “Vovô Bartolomeu”, Sobreviver em Tarrafal de Santiago e Prometeu. Este último é composto pelo conto que dá nome ao volume e por três poemas: “ Um canto moço, ousado e forte”, dedicado a Agostinho Neto, “Prometeu (Canto interior de uma noite fantástica)” e “Ainda Prometeu (Musseque Prenda)”. Possivelmente inspirado em O muro, da autoria do filósofo e escritor francês do século XX, Jean-Paul Sarte, António Jacinto escreveu um conto breve no qual conta a história de um preso condenado à morte. Num tom poético, que atribui ao conto um ritmo de poucas respirações, Jacinto insiste no grito da personagem e sua simbologia de persistência e urgência. O grito é o elemento que une o conto aos três poemas que lhe seguem. Valora-se a firmeza do grito contra todas as forças que pretendem calá-lo, inclusive as forças que surgem do interior do sujeito. Uma espécie de ode ao gesto de um braço erguido, como o foi ode Garcia Lorca: “Sereno, mas resoluto/ aqui estou –Eu mesmo –gritando desvairado/ que há um fim por que luto/ e me impede de passar ao outro lado” (idem; ibidem: 28). O volume muito bem organizado e editado comum gosto e cuidado notórios, ostentando a ilustração de Vi Teix na capa e nas divisões que o compõem, inclui, ainda, uma importante entrevista ao poeta e escritor que funciona, aqui, “À laia de prefácio”. Passando por temas como a luta, a literatura e a relação e implicação entre uma e a outra, Jacinto expõe claramente as suas posições que o apresentam como um homem de letras da sua época, consciente dessa sua ligação ao momento histórico que viveu e que influenciou assumidamente o modo como escreve e como encara a escrita: “Que livros? Nunca escrevi livros. Na trincheira dispara-se ao sabor das tácticas, das estratégias, e até da ocasião. Disparar sempre. Balas ou poemas” (idem; ibidem: 12). Defende que a literatura com carácter de urgência não espera artes poéticas a seguir, mas, antes, cria, ela mesma, de modo urgente e pragmático, essa poética: “Á mão, à máquina, a lápis, a tinta. De pé, sentado, de cócaras, na retrete, na mesa, às escuras, na cama. Quantos poemas escrevi de noite, sem poder decifrar os gatafunhos pela manhã? (...) Poesia sempre, total, em qualquer lugar, em qualquer hora, em qualquer circunstância. O poema amadurece sempre, sem qualquer condicionalismo de estação (...) O escriba que sou escreve quando a vida e o Povo mandam. Nada mais” (idem; ibidem: 13). O tom e ritmo da entrevista é, em muito, semelhante ao que encontramos no conto e nos poemas. Um tom catártico e de libertação, mas que não tira solidez às certezas que afirma. Prometeu é um livro essencial para conhecer o poeta António Jacinto, que se expandiu assim mesmo, enquanto poeta, nas linhas de prosa que compôs–linhas que deixam transparecer, sem nebulosidades, o homem político que ele também foi e o modo como essa faceta determinava as demais, não se compreendendo enquanto escritor separado do povo (“Apague-se o escriba, fique o Povo de uma época, da maravilhosa época que é a nossa” idem; ibidem) nem compreendendo a literatura sem a luta: “A vida não se pensa, vive-se. A literatura é isto. Não existiria se não existisse luta de libertação nacional” (idem; ibidem: 14). Ana T. Rocha
More Information
Author António Jacinto
Publisher Editora das Letras
Edition no. 2
Year of publication 2015
Page numbers 25
Format Livro Brochado
Language Portuguese
ISBN 9789897620010
Country of Origin Angola
Dimension [cm] 23 x 16
About Author António Jacinto é o pseudónimo literário do poeta António Jacinto do Amaral Martins; Trabalhou durante alguns anos como escriturário, desenvolvendo nessa altura actividades literárias e patrióticas.
Write Your Own Review
Only registered users can write reviews. Please Sign in or create an account